sábado, 20 de julho de 2013

A CABANA NA FLORESTA


"Existiriam locais sombrios ocultos escondidos em pontos isolados em nosso planeta, servindo talvez como armadilhas para pessoas desavisadas?"
O Relato a seguir é justamente sobre um desses locais!
=============================================================================

Enquanto eu rolava na cama com a maior preguiça do mundo, eu notei que o meu amigo, Lucas, que estava passando as férias comigo na fazenda dos meus pais, não estava no quarto. Enquanto eu começava a me sentar para sair da cama, um rosto apareceu na porta do meu quarto.
"O que você quer fazer hoje?" o Lucas perguntou. "Eu estou completamente entediado."
Enquanto eu olhava para ele tentando ajustar os meus olhos para a claridade eu falei "vamos dar umas voltas com o quadriciclo". Ele olhou para mim com um sorriso que ia de orelha até orelha e falou "Beleza!"

Enquanto colocávamos uma roupa pesada e quente, já que íamos para a floresta e era o meio do inverno, a minha mãe entrou no quarto. "Onde vocês estão indo, garotos?" "Nós vamos dar uma volta por ai."
"Bem, vocês precisam tomar café da manhã primeiro" ela insistiu.
Nós devoramos o café da manhã e fomos para a garagem onde estava o quadriciclo.

Nós enchemos ele de gasolina e nos mandamos para a floresta. O tempo estava bem frio e a floresta tinha um leve nevoeiro. Enquanto nós dirigíamos pela trilha de terra, nós notamos que a floresta não tinha muita vida, como costumava ter.
Era muito estranho, como se alguma coisa tivesse assustado a vida selvagem.
Enquanto eu levava a gente mais para dentro da floresta, a luz ia diminuindo, ela estava ficando mais escura, mesmo sendo de manhã ainda. Então, do nada, alguma coisa caiu na frente da gente, e eu apertei o freio o mais forte que eu pude, não pegando aquilo por alguns centímetros. Era um pedaço de um galho.
"Você está bem?" o Lucas perguntou "Essa foi perto!" "Tá tudo bem comigo, mas você viu o tamanho daquele galho?" eu respondi. O Lucas deu uma risada, vendo que eu estava bem.

Então nós seguimos caminho e continuamos a entrar cada vez mais na floresta.
A trilha estava quase sumindo, e eu nunca tinha ido tão longe antes, não tinha idéia de onde agente estava.
Então em determinado ponto vimos uma cabana velha de dois andares, que parecia estar lá a décadas.
Tinha uma varanda na frente que tinha desabado e a porta estava fechada com tábuas de madeira.
"Vamos lá Fábio, vamos dar uma olhada nela"! "Sei lá cara, isso nem parece uma cabana de verdade, parece mais um cupinzeiro!". "Que isso cara, vamos lá, a cabana ta boa, vamos dar uma olhada!".
Meio que a contragosto eu concordei e fomos na direção dela. Nós entramos pela janela e assim que eu pisei no chão fiquei surpreso com a firmeza dela. Apesar de parecer ter mais de cem anos e dar um estalo ou outro, a cabana era bem forte e sólida.

O andar de baixo tinha duas partes. Uma parecia ser a cozinha/sala e tinha as paredes cobertas de jornal velho.
A lareira tinha desabado já fazia muito tempo, e os tijolos estavam cheios de limo.
Nós fomos para o outro cômodo, e tinha uma escada em espiral nele, com a base cortada fora, só tinha sobrado a parte de cima. "O que será que tem lá em cima?" o Lucas perguntou com uma certa curiosidade. "Sei lá".
A minha curiosidade tinha sido atiçada. "Vamos dar uma olhada!".
Eu servi de apoio para o Lucas alcançar o que tinha sobrado da escada, e assim que ele subiu ele pe puxou para que eu pudesse dar uma olhada lá em cima também.
O andar de cima era todo um quarto só. O ar era muito pesado, e era difícil respirar.
Tinha um velho colchão que parecia que tinha sido deixado para trás, e um buraco escuro na parede, grande o suficiente para alguém do nosso tamanho conseguir rastejar por ele.
De repente nós ouvimos o barulho de alguém andando no andar de baixo.
"O que foi isso?" o Lucas perguntou. "Eu acho que tem alguém aqui!".
Nós não nos movemos, imaginando o que poderia estar a espreita no lá em baixo em uma cabana abandonada no meio de uma floresta.

Então nós dois olhamos para o buraco na parede, e sem uma palavra nós apontamos para ele.
O Lucas entrou primeiro, e depois eu.
Lá dentro era uma espécie de um quarto menor, era bem pequeno e estreito. Estava difícil de respirar lá dentro, o ar estava úmido e estava bem abafado, o que não ajudava nada com o terror que já estávamos enfrentando.
Enquanto estávamos lá sentados, começamos a ouvir sons inexplicáveis.
Primeiro ouvimos sussurros de várias pessoas no andar de baixo.
Com o tempo a voz foi ficando cada vez mais alta e mais aguda.
O Lucas e eu começamos a entrar em pânico, imaginando se sairíamos da cabana com vida.
Então começamos a ouvir os passos de novo, só que dessas vez eles estavam mais pesados e pareciam vir do quarto grande do andar de cima.

Nesse momento a casa inteira começou a tremer, como se estivesse em um terremoto.
Nós começamos a gritar com o terror da possibilidade de alguma coisa entrar onde estávamos e nos pegar.
Mas então a casa foi parando de tremer até ficar totalmente imóvel de novo. O silêncio voltou.
A única coisa que ouvíamos eram os estalos que a casa soltava uma vez ou outra.
"Eu acho que foi embora" eu falei. "Vamos sumir daqui!".
Então eu rastejei para fora do buraco primeiro. Eu me levantei e comecei a tirar a poeira da minha roupa.
"AI MEU DEUS!!! VAMOS SAIR DAQUI!!!" o Lucas gritou. Ele voou para fora do buraco. "O que foi?" eu perguntei.
"TEM ALGUMA COISA LÁ DENTRO! EU VI!" o Lucas respondeu.
O meu corpo inteiro tremeu e eu senti todos os pelos se arrepiarem, enquanto o terror tomou conta de mim mais uma vez.
Nós dois pulamos para o andar de baixo, e assim que levantamos da queda ouvimos uma batida forte lá em cima. "Quem ta aí?" eu gritei. Só ouvimos o silêncio. Então uma figura sombria apareceu no topo da escada.
Era uma coisa grotesca que parecia ter deformidades pelo corpo inteiro.

Depois de uns dois segundos , o Lucas e eu corremos para a janela e saímos o mais rápido possível da cabana.
Nós montamos no quadriciclo e disparamos.
Eu dei uma olhada para a velha cabana e vi uma figura escura na janela do segundo andar.
Pelo momento que eu olhei para aquela coisa, eu notei algo de estranho na expressão dela.
Parecia triste e solitária. Mas eu não pensei muito sobre isso até chegar na fazenda.

"O que aconteceu com vocês?" a minha mãe perguntou em choque quando viu a poeira na nossa roupa.
Nós então falamos da velha cabana que tínhamos entrado para ver o que tinha dentro, mas decidimos não contar nada do que poderia ser considerado "atividade paranormal", porque talvez ela pudesse não entender.

Até hoje o Lucas e eu falamos sobre o que aconteceu naquela manhã de sábado.
Ele me falou que quando estava sozinho no buraco, ele sentiu o que parecia ser uma mão humana pegar na perna dele.


Eu cheguei a conclusão de que ainda existe coisas nessa terra deixada para descobrirmos e entendermos.
E o mais importante, agora eu acredito que o paranormal existe, para o bem e para o mal.
Eu ainda estou desconcertado com o que aconteceu com o Lucas e comigo naquele dia.

Fábio - São Paulo - S.P. - Brasil

Sem comentários:

Enviar um comentário